Vereadora Telma Maciel destaca a importância da Campanha Outubro Rosa

O ‘Outubro Rosa’ é um movimento de conscientização realizado por diversos segmentos da sociedade e totalmente dirigido às mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Pensando na importância do tema, a vereador Telma Aparecida Maciel Lopes, da Câmara de Extrema/MG, falou sobre algumas das iniciativas que promovem a conscientização sobre o assunto. Em entrevista Telma reforçou o seu apoio à campanha e lembrou a relevância da realização dos exames. “Nós, vereadores e representantes do poder público, temos a obrigação de incentivarmos as políticas sociais por meio de ações capazes de sensibilizar toda a população. É preciso trabalhar a autoestima das mulheres, levando informações sobre o autoexame, promovendo também o envolvimento da família e a intensificação na realização de campanhas com informações sobre a necessidade da prevenção do câncer de mama, as visitas periódicas ao ginecologista, além das coletas dos exames de Papa Nicolau que podem levar à cura. A saúde das mulheres necessita de cuidados cotidianos como a alimentação saudável, a prática regular de atividades que promovam o bem-estar e as visitas periódicas aos profissionais de saúde. Esse cuidado deve ser contínuo, por isso renovamos o compromisso com a saúde das mulheres a cada ano e o movimento Outubro Rosa reforça a nossa preocupação”, ressaltou.

Única representante feminina no Legislativo de Extrema, ela disse que toda a Câmara é uma grande aliada da mulher nas causas que versam o respeito, a luta pelos direitos iguais e o combate ao câncer de mama. “Sempre estaremos atentos às manifestações e campanhas desenvolvidas pelo Executivo porque saúde é coisa muito séria e necessita de cuidados”, disse Telma.

 

NÚMEROS DO CÂNCER DE MAMA EM MINAS GERAIS

Vale lembrar que o Outubro Rosa é uma campanha com o objetivo da conscientização sobre a prevenção e a cura do câncer de mama. Desde 2004, o Sistema Único de Saúde (SUS) possui uma Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher, construída em parceria com movimentos de mulheres de diversos setores da sociedade e que incorporou o ideário feminista de que a saúde da mulher não está ligada apenas à saúde reprodutiva ou sexual, mas sim há diversos aspectos socioculturais e econômicos, dando destaque a agravos e índices epidemiológicos que são presentes no gênero feminino, respeitando a diversidade e diminuindo a desigualdade de gênero presente na nossa sociedade.

Em Minas Gerais, o câncer de mama é o de maior incidência em mulheres. Estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam que são esperados 5.160 novos casos da doença no Estado, uma taxa bruta de incidência de 48,19 para cada grupo de 100 mil mulheres mineiras. A taxa de mortalidade feminina por câncer de mama em Minas, estimada pelo INCA em 2013, é de 11,37 óbitos para cada grupo de 100 mil mulheres. Enquanto isso, o câncer de colo do útero é o terceiro de maior incidência entre as mulheres mineiras e as estimativas apontam 1.030 novos casos esperados no estado, com uma taxa bruta de 9,63 casos para cada grupo de 100 mil mulheres. A taxa de mortalidade por câncer de colo de útero em Minas, estimada pelo INCA em 2015, é de 3,53 óbitos para cada grupo de 100 mil mulheres. Dados do Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIA) revelam que em 2016 foram realizadas mais de 347.330 mil mamografias de rastreamento na faixa etária de 50 a 69 anos nas unidades de saúde do SUS em Minas Gerais. De janeiro a julho deste ano, são 187.893 mamografias já realizadas. Em relação ao rastreamento do câncer de colo do útero, o SUS em Minas realizou 860.101 exames preventivos do colo do útero em mulheres na faixa etária de 25 a 64 anos, em 2016, e 498.712 exames de janeiro a julho de 2017 (com informações da Organização Mundial de Saúde – OMS).