Extrema é a 1ª cidade mineira e a 8ª no Brasil em gestão de excelência

Leandro Marinho, Presidente da Câmara, fala sobre o sucesso da gestão pública de Extrema

Leandro Marinho, presidente do Legislativo de Extrema

Foi divulgado o ranking que qualifica a gestão pública das cidades brasileiras pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). O município de Extrema elenca a 1ª posição em Minas Gerais como Gestão de Excelência, ficando ainda na 8ª posição em todo o país. Os resultados partiram dos estudos e pesquisas com ano base 2018, que avaliaram a atual a administração municipal de 5.337 municípios brasileiros, onde vive 97,8% da população.

Leandro Marinho, presidente da Câmara, destacou como excelente a gestão que vem sendo construída pelo atual prefeito, João Batista da Silva. Para ele, Extrema é uma referência em termos de crescimento sustentável e planejamento ordenado. “Somos uma cidade que serve de exemplo para todo o Brasil. Nós que fomos eleitos pelo cidadão, carregamos o compromisso de trabalhar pela comunidade e temos a obrigação criar ferramentas de gestão que vão de encontro à necessidade e ao anseio da população. O nosso prefeito, João Batista da Silva, o vice-prefeito, Juliano de Toledo, e toda a equipe administrativa sabem bem disso e vêm atuando co m objetividade e olhar para um futuro próspero. Por isso estamos nesta seleta e feliz lista de municípios que ostentam o título de cidades com excelência administrativa”, destacou Leandro Marinho.

A FIRJAN criou o Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF) para contribuir com o debate sobre a eficiência da gestão pública. O estudo é composto por quatro indicadores: IFGF Autonomia, IFGF Gastos com Pessoal, IFGF Liquidez e IFGF Investimentos, com notas que variam de entre 0 e 1, sendo que quanto mais próxima de 1 melhor a gestão fiscal da cidade. Com pontuação de 0.9631, Extrema alcançou a 8º posição no ranking nacional, superando as grandes metrópoles como São Paulo, que ficou na 447º lugar, e Rio de Janeiro, na colocação 2979º. O resultado demonstra que a cidade sul mineira busca gerar receita para financiar a estrutura administrativa da prefeitura assim como procura executar um planejamento eficiente para aumentar o investimento, indo na contra mão da realidade de diversas cidades brasileiras.

O índice é inteiramente construído com base em resultados fiscais oficiais, declarados pelas próprias prefeituras. Essas informações são disponibilizadas anualmente pela Secretaria do Tesouro Nacional – STN, por meio do Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro (Siconfi).

Em 2013, quando o primeiro estudo foi realizado, o município de Extrema ficou na 11º posição na avaliação dos municípios de Minas Gerais e, alcançou o 73º lugar a nível nacional. “Extrema só tende a crescer com qualidade e responsabilidade. É nisso que apostamos e é pelo cidadão que trabalhamos”, finalizou Leandro Marinho. (Fonte: ASCOM / Câmara de Extrema – Por Léo Demeter / Jornalista Mtb 13.986 MG)