Câmara dos Vereadores e Prefeitura dão importante passo pelo fim da violência contra a mulher

Lançamentos do Projeto ‘Mulheres Valentes’ e da Cartilha de Enfrentamento da Violência Doméstica e Familiar marcam novo panorama na militância feminina de Extrema

O carismático papa João Paulo II já pregava: “A violência destrói o que ela pretende defender: a dignidade da vida, a liberdade do ser humano.”. Símbolo maior da cristandade, este importante líder religioso anunciava nas suas palavras o que o mundo todo tanto precisa (e necessita atualmente): a paz e o respeito social.

No Brasil, os casos de violência assumem diariamente rankings preocupantes. Nesta triste estatística está o feminicídio que ganha as páginas dos tabloides e torna-se manchete nos noticiários policiais.

Preocupadas com a integridade física, moral e social das mulheres, a Câmara dos Vereadores e a Prefeitura se uniram num único propósito: fomentar políticas públicas que vão de encontro à proteção da mulher extremense.

AGOSTO BRANCO

Durante todo o mês de agosto aconteceram diversas atividades com o objetivo de conscientizar toda a comunidade e trazer à tona a discussão sobre temas que propõem o fim da violência. A militância teve início na quarta-feira, 7, com a “Caminhada do Agosto Branco”. A passeata percorreu as ruas da cidade. Gritos com cartazes pediam o fim da violência e o apoio do cidadão. A benção ecumênica no Extrema Futebol Clube abriu as ações do projeto “Mulheres Valentes”.

Na terça-feira, 13, foi exibido no Ponto de Cultura do Clube Literário e Recreativo o longa-metragem “Vidas Partidas”. Ao final da exibição, o público debateu questões ligadas à violência doméstica. A sessão esteve lotada.

O ápice da programação ocorreu na terça-feira, 20, com o lançamento oficial do projeto “Mulheres Valentes” e da cartilha “Enfrentamento da Violência Doméstica e Familiar Contra as Mulheres”. A cerimônia aconteceu no Literário e foi transmitida ao vivo pela TV Câmara. A atriz e modelo Renata Banhara, embaixadora do “Mulheres Valentes” de 2019, foi quem abrilhantou a solenidade. Também participaram a autora, idealizadora do projeto e primeira secretária da mesa diretora do Legislativo, vereadora Telma Aparecida Maciel, o vice-presidente da Casa de Leis, Dr. Roberto de Cunto – que representou o presidente da Câmara, vereador Leandro Marinho –, a gerente da Secretaria Municipal de Ação Social, Rita Bernal, o secretário do setor assistencial do município, Sebastião Luiz da Costa Marques, a primeira-dama, Terezinha Monteiro, representando o prefeito, João Batista da Silva, a vice-primeira-dama, Dra. Karina Rubin, e a juíza da Comarca de Extrema, Dra. Maria Fernanda Manfrinato Braga.

Em seu discurso, Telma Maciel enfatizou a importância do projeto na formatação de uma nova cultura social. “Precisamos estar de mãos dadas. Precisamos da comunidade unida batalhando o fim da violência. É neste ativismo que iremos basear e travar a nossa luta contra qualquer tipo de agressão. Queremos paz e precisamos de mais amor. Estamos fortalecidas e seguiremos com voz e vez em todas as frentes de militância a favor de todas nós”, destacou.

Para Rita Bernal, o momento é de basta! “A mulher precisa viver sem medo. Chega de agressão. A causa envolve toda a comunidade e o poder público está ao lado do cidadão na busca por uma decente qualidade de vida. O ativismo é de todo s”, finalizou Rita. (Fonte: ASCOM/Câmara de Extrema – Por Léo Demeter – Jornalista Mtb 13.986 MG)